Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Redução de vazão nas usinas do São Francisco pode ser determinada

Notícias

Redução de vazão nas usinas do São Francisco pode ser determinada

Chuvas abaixo do esperado ensejam definição de novo limite para barragens do rio São Francisco caso projeções de reservação para final de abril de 2019 piorem

publicado: 21/01/2019 17h49 última modificação: 22/01/2019 11h11

Em reunião da Sala de Crise do Rio São Francisco realizada nesta segunda feira (21) foi acordada uma nova política de operação para definição da vazão das usinas hidrelétricas de Sobradinho (BA) e Xingó (AL/SE). Os técnicos dos órgãos de operação e acompanhamento olharão para as projeções dos níveis dos reservatórios para o final de abril de 2019 e, se houver piora nessa expectativa, medidas de restrição das vazões poderão ser adotadas. A magnitude dessa eventual redução de vazão deverá ser acordada em reunião da Sala de Crise do São Francisco.

Pela regra definida entre os participantes da reunião, sempre que as simulações da evolução do reservatório equivalente do Sistema Hídrico do Rio São Francisco indicarem um volume superior ou igual a 50% de seu volume útil ao final de abril de 2019, fica mantida a atual defluência de 800 metros cúbicos por segundo (m³/s) em Xingó e de aproximadamente 950 m³/s em Sobradinho.

Os participantes da reunião decidiram também que sempre que as simulações de evolução do armazenamento de Sobradinho indicarem um volume útil inferior a 45% no final de abril será necessário aumentar as vazões liberadas pelo reservatório de Três Marias, de forma a buscar um maior equilíbrio entre os reservatórios do Sistema Hídrico do Rio São Francisco.

A necessidade de prever medidas mais restritivas para reservar mais água nesses reservatórios foi tomada após análise de informações do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), que apontam que a precipitação acumulada que vem sendo observada em janeiro de 2019 está consideravelmente abaixo da média do mês. Nos primeiros 19 de dias de janeiro foram registrados somente 19 milímetros de chuvas, cerca de 10% da média esperada para o mês, que é o segundo mais chuvoso na bacia historicamente.

Ainda segundo o Cemaden, a existência de uma zona de alta pressão no centro do País inibe a precipitação e a passagem de sistemas frontais que alcancem a bacia do rio São Francisco. Nos próximos 15 dias é esperado que a precipitação acumulada permaneça abaixo da média.

A próxima reunião da Sala de Crise do Rio São Francisco ocorrerá em 4 de fevereiro de 2019.

 HISTÓRICO

Em reunião de 17 de dezembro, a Sala de Crise do São Francisco determinou que a partir de 18 de dezembro o reservatório da hidrelétrica de Três Marias passa a liberar pelo menos 120 metros cúbicos por segundo, em vez do patamar mínimo de 100m³/s que vinha sendo praticado. A partir de 1º de janeiro, a vazão mínima defluente subiria para 150 m³/s, limite mínimo de operação para Três Marias na atual situação de armazenamento.

Para o reservatório de Xingó (AL/SE), a vazão defluente foi elevada de uma média mensal de 600 m³/s para 700 m³/s a partir de 18 de dezembro e para 800 m³/s a partir de 11 de janeiro de 2019.

 Conheça as usinas do Sistema Hídrico do Rio São Francisco:           

Três Marias 

A usina de Três Marias fica no município mineiro de mesmo nome e é operada pela Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG). Com potência instalada de 396MW, o empreendimento possui um reservatório com capacidade para armazenar 19,528 trilhões de litros na calha do rio São Francisco. 

Xingó 

Localizada entre Alagoas e Sergipe, a hidrelétrica de Xingó é operada pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (CHESF) a fio d’água – o mesmo volume que entra nela, acaba saindo. Com capacidade de armazenamento de 3,8 trilhões de litros em seu reservatório, Xingó tem uma potência instalada de 3.162MW. A hidrelétrica está a 179km da foz do São Francisco, entre os municípios de Piaçabuçu (AL) e Brejo Grande (SE). 

Luiz Gonzaga/Itaparica 

A usina hidrelétrica Luiz Gonzaga, também conhecida como Itaparica, fica na divisa entre a Bahia e Pernambuco. Operado pela CHESF, o empreendimento possui uma potência instalada de 1.479,6MW. O reservatório da usina possui um volume total de 10,782 trilhões de litros e fica na calha do rio São Francisco a 312,5km da foz do Velho Chico. 

Sobradinho 

A hidrelétrica de Sobradinho fica na Bahia, a 748km da foz do rio São Francisco. Além da geração de energia, o reservatório cumpre o papel de regularização dos recursos hídricos da região, que abrange munícipios como Juazeiro (BA) e Petrolina (PE). Operada pela CHESF, a hidrelétrica tem potência instalada de 1.050,3MW e seu reservatório tem capacidade de armazenamento de 34,117 trilhões de litros – a maior da bacia do São Francisco. 

Rio São Francisco 

O rio São Francisco nasce na Serra da Canastra (MG), e chega a sua foz, no Oceano Atlântico, entre Alagoas e Sergipe, percorrendo cerca de 2.800km, passando por Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe. O Velho Chico é o rio 100% nacional com maior extensão. A bacia possui 503 municípios e engloba parte do Semiárido, que corresponde a aproximadamente 58% dessa região hidrográfica, que está dividida em quatro unidades: Alto, Médio, Submédio e Baixo São Francisco.