Você está aqui: Página Inicial > Notícias antigas > Associação de Recursos Hídricos do Brasil e Estados Unidos assinam termo de cooperação

Associação de Recursos Hídricos do Brasil e Estados Unidos assinam termo de cooperação

por ASCOM/ANA publicado 06/06/2006 00h00, última modificação 14/03/2019 16h34
Brasil e Estados Unidos detêm, juntos, 22% da água doce do mundo. Para trocar experiências sobre a gestão destes recursos houve a assinatura, em 5/06, de um acordo de cooperação entre as Associações de Recursos Hídricos dos dois países.A assinatura do acordo aconteceu na solenidade de aber
Brasil e Estados Unidos detêm, juntos, 22% da água doce do mundo. Para trocar experiências sobre a gestão destes recursos houve a assinatura, em 5/06, de um acordo de cooperação entre as Associações de Recursos Hídricos dos dois países.
A assinatura do acordo aconteceu na solenidade de abertura do VIII Cúpula de Informação sobre a Água – WIS -- que reúne representantes de 25 países no auditório da Agência Nacional de Águas – ANA . A solenidade foi presidida pelo diretor da ANA, Benedito Braga. O presidente da AWRA, Kenneth Reid, e o presidente da ABRH, Rui Carlos Vieira da Silva, lembraram os desafios comuns que unem a gestão dos recursos hídricos nos dois países. Kenneth Reid elogiou a atuação técnica do diretor da ANA, Benedito Braga, à frente dos principais encontros internacionais voltados para a gestão dos recursos hídricos no mundo.
“Os dois países têm muitas características em comum na área de Recursos Hídricos, como grandes rios nacionais e transfronteiriços, grandes sistemas lagunares, grandes linhas de costa, duas das maiores planícies inundadas do mundo e regiões semi-áridas” afirma Rui Vieira da Silva lembrando que um acordo de cooperação entre as duas entidades de recursos hídricos é extremamente oportuno.
O presidente da ABRH afirmou ainda que tanto o Brasil como os Estados Unidos são federações de Estados e, por isto, além dos problemas inerentes aos rios transfronteiriços, têm também os problemas com seus rios interestaduais. “O debate sobre a transposição do São Francisco, por exemplo, mostra como a posição política dos estados aumenta o número de variáveis e cenários, tornando o processo de decisão ainda mais complexo”.
O acordo prevê troca de informações nas respectivas páginas Webs das duas associações, com links interligando ambas, a divulgação das atividades, notícias iniciativas e ainda a possibilidade de troca de artigos técnicos nos respectivos periódicos das duas associação. Há ainda no acordo a possibilidade de patrocínio conjunto para simpósios e conferências.