Você está aqui: Página Inicial > Notícias antigas > “É preciso expandir o setor agrícola com o uso inteligente da água”, diz Machado

“É preciso expandir o setor agrícola com o uso inteligente da água”, diz Machado

por ASCOM/ANA publicado 15/12/2006 00h00, última modificação 14/03/2019 16h33
A Agência Nacional de Águas (ANA) sediou hoje (15/12) a cerimônia de assinatura do termo de cooperação técnica para articular as políticas agrícolas, de irrigação e de recursos hídricos. O acordo foi celebrado entre a Agência e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), na presen
A Agência Nacional de Águas (ANA) sediou hoje (15/12) a cerimônia de assinatura do termo de cooperação técnica para articular as políticas agrícolas, de irrigação e de recursos hídricos. O acordo foi celebrado entre a Agência e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), na presença da diretoria da ANA, do ministro Luís Carlos Guedes Pinto e de representantes de instituições como a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

No Brasil, há aproximadamente 3,7 milhões de hectares irrigados, o equivalente a cerca de 6% da área plantada. No entanto, as lavouras irrigadas respondem por mais de 16% da produção e por 35% do valor econômico total gerado pelo setor agrícola.

“Temos que irrigar mais. Assim, poderemos colher mais e usar menos terra”, afirmou o diretor-presidente da ANA, José Machado, durante a cerimônia de assinatura do acordo. “Mas temos também que preservar os recursos hídricos, usando-os de forma inteligente”, concluiu.

O ministro da Agricultura, Luís Carlos Guedes Pinto, reforçou essa idéia: “O desenvolvimento sustentável está ligado, sem dúvida, à questão da água”.

O que prevê o acordo
O termo de cooperação prevê o mapeamento de áreas irrigáveis, a disciplina do uso da água por meio da outorga, o incentivo de práticas conservacionistas de manejo nas microbacias e o reuso de água na irrigação.

Além disso, estabelece a articulação dos setores produtivos durante a elaboração dos Planos de Recursos Hídricos e a criação, num horizonte maior de tempo, do Centro de Referência da Irrigação – o qual vai servir para aprimorar técnicas de irrigação, bem como qualificar pessoal para o setor.